O que é e-commerce? Saiba TUDO neste post!

29/01/2021

Independentemente do setor em que atua, todo empreendedor precisa se manter antenado às possibilidades de negócios, certo? Nessa constante busca por novidades, cresce cada vez mais o interesse por saber o que é e-commerce.

Como você pode perceber no gráfico abaixo, extraído do Google Trends, a pesquisa pelo termo “o que é e-commerce” se manteve ativa durante todo o ano de 2020. Os períodos de maior interesse foram nos meses de maio, junho e setembro (este atingindo o pico máximo).

gráfico e-commerce

Não é por acaso, já que muitos micros, pequenos e médios empresários estrearam ou fortaleceram sua presença no comércio eletrônico. Esse movimento já vinha acontecendo nos últimos 25 anos, mas se intensificou durante a pandemia. O motivo? Alternativa para manter ou criar os negócios rentáveis.

Você ainda não sabe o que é e-commerce? Então acompanhe este conteúdo e confira as principais informações sobre esse tipo de varejo que veio para ficar. Boa leitura!

Afinal, o que é e-commerce?

“E-commerce” é a abreviação de “electronic commerce”, em inglês, que significa “comércio eletrônico”. Refere-se, basicamente, às transações de compra e venda realizadas pela internet. O termo também é utilizado como sinônimo para lojas virtuais, ou seja, “eu tenho um e-commerce” é o mesmo que dizer “tenho uma loja virtual”.

Saber o que é e-commerce vai além de conhecer a origem da palavra. Para empreender nesse segmento você precisa ter um panorama de como ele funciona: oportunidades, desafios e diferenciais que podem fazer sua experiência ser um sucesso ou ficar ofuscada pela concorrência.

Quer começar com o pé direito? Nos próximos tópicos você descobre as principais características do varejo online!

O que vender na internet?

Agora você já sabe o que é e-commerce! Esse setor é uma excelente alternativa para empresas que procuram aumentar vendas e visibilidade, muitas vezes reduzindo custos operacionais. Hoje em dia é possível comercializar praticamente de tudo pela internet. Veja alguns exemplos:

  • Roupas e calçados
  • Itens para PET
  • Automóveis
  • Smartphones, computadores e periféricos
  • Artigos de papelaria
  • Livros
  • Maquiagem e perfumes
  • Cosméticos
  • Móveis e itens para a casa (cama, mesa, banho, cortina, utensílios, decoração)
  • Tecidos
  • Artesanato
  • Eletrodomésticos
  • Alimentos e bebidas
  • Clubes de assinatura
  • Artigos de sex shop
  • Pacotes de viagens
  • Games, CDs e DVDs
  • Flores e utensílios para jardinagem
  • Suplementos alimentares e artigos esportivos

FATURAMENTO DO E-COMMERCE NO BRASIL

  • 2020: Mais de R$ 115 bilhões
  • 2019: R$ 61,9 bi
  • 2018: R$ 53,2 bi
  • 2017: R$ 44,7 bi
  • 2016: R$ 44,4 bi

SEGMENTOS QUE MAIS VENDEM

De acordo com o relatório Webshoppers, os segmentos com maior tíquete médio no 2º trimestre de 2020 foram: Informática, Automotivos, Departamento, Casa e Decoração, Autosserviço, Bebidas e Roupas/Calçados.

Na Black Friday e Cyber Monday 2020, as categorias que mais movimentaram as vendas foram: Eletrodomésticos e Ventilação, Telefonia, Informática e Câmeras, Entretenimento e Móveis, Construção e Decoração. Juntas, corresponderam por 63,81% das vendas no período entre 26 e 30 de novembro (dados computados por Neotrust, Compre&Confie e Clearsale).

Onde vender

De acordo com uma pesquisa da Neotrust, quase 6 milhões de consumidores brasileiros fizeram sua primeira compra no e-commerce – isso considerando somente o terceiro trimestre de 2020 e sem contabilizar dois grandes canais: Mercado Livre e OLX. É claro que os empreendedores querem saber o que é e-commerce e como vender pela internet, né? 😉

Primeiro você precisa saber que existem dois grandes modos de vender online: por loja virtual própria (e-commerce) ou por marketplaces. Ambos têm vantagens e desvantagens. Entenda as diferenças:

LOJA VIRTUAL

Optar por um e-commerce exclusivo da sua marca exige maior investimento inicial. Você precisa contratar uma plataforma de vendas, hospedagem, sistemas de segurança e pagamentos, etc., ou seja, toda a estrutura do canal é por sua conta. Tudo é personalizável, mas tem seu custo. Além disso, é preciso fazer um investimento maior em marketing digital (Google, redes sociais, YouTube) para tornar a loja conhecida entre os usuários.

Os principais tipos de e-commerce são: B2B (de empresa para empresa), B2C (de empresa para consumidor) e D2C (fabricante para consumidor final). Tem espaço para todo mundo! Se você tem um negócio pequeno, com poucos recursos iniciais e muita concorrência de nicho, talvez a melhor estratégia para iniciar a jornada online vendendo, seja em marketplaces.

MARKETPLACE

Os marketplaces são shoppings virtuais, reunindo diversos vendedores de diferentes segmentos (marketplace de departamento) ou de áreas semelhantes (marketplace de nicho). Portanto, esses canais são intermediadores de negócios entre empresa e consumidor final.

A maior vantagem de atuar em marketplace é embarcar na visibilidade e credibilidade de grandes players (Submarino, Americanas, Mercado Livre, Magazine Luiza, Dafiti, etc.). Isso com zero investimento inicial para integrar o time de parceiros. Vale destacar que essas plataformas costumam ter interface bastante intuitiva e fácil de operar.

Grande parte dos marketplaces possui parceria com os Correios e outras empresas de logística para reduzir os custos de entrega. Além disso, em alguns casos o seller pode contar com serviço de armazenamento e entrega próprios do marketplace.

O que pode ser visto como desvantagem é a cobrança de comissões sobre as vendas. Enquanto no e-commerce próprio há maior de lucro, no e-commerce é preciso considerar taxas que podem chegar a 20%.

Os principais marketplaces ativos no Brasil são:

O QUE É E-COMMERCE MULTICANAL

Para aproveitar o que cada formato tem de melhor, muitos empreendedores optam por vendas multicanal, ou seja, vendas por e-commerce próprio E-marketplaces. Em alguns casos, vender apenas em vários marketplaces também pode ser lucrativo. O importante é não descartar possibilidades de crescimento.

Já se você possui varejo físico e ele continua gerando bons resultados, pode trabalhar com o formato omnichanel (união entre vendas físicas e virtuais). Assim, sua unidade pode atender aos consumidores locais e funcionar como um pequeno centro de distribuição para vendas online.

APLICATIVOS E REDES SOCIAIS

As compras por aplicativos e redes sociais estão ganhando espaço. Que tal explorar esses meios? Quem tem loja virtual própria e ERP pode integrar os sistemas às redes sociais e também vender por meio delas (aproveite para saber mais sobre o Facebook Marketplace e como vender pelo Instagram.

Opera somente por marketplaces? Basta adicionar o link para sua lojinha na bio. Vende itens diferentes em cada plataforma? É possível organizar a navegação com ferramentas como o linktree. Assim, quando o usuário clicar no link da bio aparecem botões para seguir a navegação. Então ele escolhe se quer acessar seu espaço no Shoptime.com, na Amazon, na Netshoes e em todos os outros marketplaces.

Como encontrar a clientela?

Encontrar seu público no e-commerce requer fundamentalmente duas coisas: estudar o mercado e experimentar novas estratégias.

Você precisa entender o setor tanto com uma visão macro quanto com um olhar voltado ao seu nicho. Como está o seu setor no e-commerce brasileiro? Promissor ou estagnado? Você vai apresentar uma solução inovadora?

Além disso, pense no público. Qual a localização geográfica dos seus clientes em potencial e como você pode vender para eles sem gerar fretes altíssimos? Em que canais eles fazem compras pela internet? Como é o poder de compra e quanto costuma ser o tíquete médio?

Essa é apenas uma parte do que deve ser estudado antes de ingressar no comércio eletrônico. Assim como muitos e-commerces são criados, outros não crescem e até vão à falência – alguns por má gestão, outros por falta de planejamento ou até mesmo segmento em baixa.

Não existe uma fórmula pronta para rapidamente encontrar a clientela e ver uma loja bombar na internet. Cada caso de sucesso é único, mas todos têm algo em comum: gestão!

Simplifique a gestão do seu e-commerce

Não apenas é possível como também é necessário simplificar a gestão da sua loja virtual. Você pode iniciar uma operação com pouco sortimento de produtos, equipe enxuta e baixo orçamento, mas com boas estratégias pode chegar muito longe.

O dia a dia de um e-commerce exige olhar atento e analítico. Acompanhe métricas, feedbacks, estudos de mercado e tendências de consumo. Quando puder, busque inspiração em livros de empreendedorismo, filmes com histórias reais e palestras motivacionais. O insight para o sucesso pode estar em lugares que você nem imagina.

Conforme seus negócios online forem crescendo, comece a investir em soluções tecnológicas como ERP (sistema de gestão), Hub (integrador de marketplaces) entre outros softwares que ajudam a tornar as tarefas mais ágeis e precisas.

Em outros conteúdos a gente explica por que usar um Hub de integração para marketplaces (disponível aqui) e o que é ERP (disponível aqui). Se você não está familiarizado com esses sistemas, vale a leitura!

Você já deu o primeiro passo!

Se chegou até aqui você sabe o que é e-commerce, como e onde vender e quais as particularidades de cada canal. Sem perceber, você já deu o primeiro passo para sua jornada no comércio eletrônico.

Acesse a home do nosso blog e descubra dezenas de outros conteúdos que com certeza vão te ensinar ainda mais sobre o assunto! Ficou com alguma dúvida sobre o que é e-commerce ou outros temas relacionados ao assunto? Deixe sua pergunta nos comentários que o nosso time responde! 😉

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.