Como usar as tendências do entretenimento no e-commerce?

30/07/2021

tendências do entretenimento no e-commerce

Quantas vezes você acompanhou o surgimento de um modismo – oriundo muitas vezes do entretenimento – e que desapareceu logo em seguida, tão rápido quanto apareceu? Pois é. Esse é o dilema vivido por muitos vendedores de e-commerce que muitas vezes estão atentos a novas oportunidades, sobretudo em relação aos produtos de seu nicho. Como distinguir o que é um modismo fogo de palha de uma oportunidade mais concreta? E como usar as tendências do entretenimento no e-commerce?

O entretenimento, sobretudo a partir de um consumo digital, está crescendo e vai continuar em expansão. A 21ª Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia da PwC, em matéria do Poder360, mostrou que esse mercado deve crescer 2,47% ao ano até 2024 no Brasil. A mídia e os conteúdos voltados ao entretenimento nos rodeiam o tempo inteiro e estão presentes na tela do smartphone, nas redes sociais e na televisão.

A pandemia empurrou essa tendência para frente, conforme mostrou a pesquisa da Kantar IBOPE Media, a qual apontou que 58% dos usuários de internet afirmaram que viram mais vídeo e TV online em streaming pago durante o período de isolamento social. O tempo médio diário de cada indivíduo assistindo a conteúdos em plataformas de streaming passou para cerca de 1h49min.

Esse cenário pavimenta um caminho que favorece o surgimento de modismos e, em alguns casos, novas oportunidades para vender mais. Quer alguns exemplos? Vamos lá!

Quando a vida imita a arte no e-commerce

A pioneira dos streamings, a Netflix, possui hoje mais de 200 milhões de assinantes ao redor do mundo – destes, cerca de 18 milhões no Brasil, de acordo com as estimativas da Comparitech. Ou seja, é natural que as produções audiovisuais da Netflix estejam presentes na vida das pessoas, resultando em “novas necessidades”, inclusive. 

A série O Gambito da Rainha, na qual uma das personagens possui um grande talento para o xadrez, estreou em outubro de 2020. Esse enredo resultou, em apenas uma semana após a estreia, na maior procura por xadrez do Google desde janeiro de 2013, de acordo com dados fornecidos pelo próprio motor de busca.

Outro exemplo oriundo da Netflix surgiu a partir da série Bridgerton, cujo tema se passa no século XIX e que impactou a indústria de móveis do Reino Unido agora no século XXI. Conforme o site International Business Times, a venda das camas de quatro colunas (que compõem as cenas da série) dispararam no Reino Unido: aumento de 300%.

Tendências que mexem com o consumo no Brasil

Quer mais? No Brasil, após o lançamento da série Arremesso Final – que conta a história do maior jogador de basquete de todos os tempos, Michael Jordan -, a venda de objetos esportivos relacionados à franquia Chicago Bulls aumentou substancialmente. A Netshoes registrou um crescimento de 650% nas vendas de produtos como camisas, bermudas e meias do Bulls, time que conquistou seis títulos da NBA sob o comando de Jordan.

Ainda mais popular, a edição de número 20 do reality show Big Brother Brasil, veiculado pela Rede Globo de Televisão, é um exemplo de como as marcas que apareceram no programa repercutiram nas buscas online. Conforme a Tun Ad, as buscas pelos produtos da marca Havaianas aumentou 2.000% durante os 10 minutos que ela apareceu na TV. Já a gigante do grupo B2W, Americanas, foi buscada 13% mais.

rayssa leal skate
Foto: Breno Barros/rededoesporte.gov.br

O exemplo mais recente, e talvez mais impactante, está no esporte. Após a conquista histórica da medalha de prata pela skatista brasileira Rayssa Leal, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, o interesse pelo skate cresceu no Brasil. O sucesso da atleta brasileira de 13 anos de idade ocorreu no dia 26 de julho e, nesse dia, as buscas por “skate” no Google aumentaram 9.990% – veja abaixo o gráfico do Google Trends.

Tendências do entretenimento no e-commerce, como a busca por skate após a medalha de prata de Rayssa Leal

Até mesmo os “skates de dedo”, que surgiram na década de 1980 e viraram febre no Brasil na virada do século, voltaram com força nos motores de pesquisa. Quem trabalha com os produtos voltados a essa modalidade – chamada fingerboard – notou que as buscas atingiram o pico também no dia 26 de julho de 2021, após a conquista da medalha.

Como distinguir o que é modismo e o que é oportunidade?

Não é tão simples fazer essa separação, tampouco há uma receita pronta. Entende-se por modismo aqueles produtos que surgem com muita força, despertados por algum evento muitas vezes inesperado, originando uma necessidade urgente e inédita nas pessoas por algum período de tempo. Porém, tão rápido quanto surgiu, esse anseio desaparece.

Você se recorda das paletas mexicanas? Houve um boom em busca desse sorvete, especialmente entre 2013 e 2014, resultando na oferta massiva para um grande número de consumidores interessados. As paletas estavam em todos os lugares, de sorveterias profissionais a franquias que só vendiam isso. A febre durou alguns anos, forneceu lucro a quem embarcou na “hora certa”, mas hoje é apenas um produto comum, sem novidade.

Já uma tendência de mercado muitas vezes começa gradualmente, atingindo inicialmente pequenos grupos de pessoas até, finalmente, atingir o grande público. Se essa demanda mostrar fôlego após algum tempo, algo como dois anos, talvez não seja apenas um simples modismo. 

Apesar disso, o modismo pode ser uma boa oportunidade! Especialmente se essa febre se encaixa naquilo que você já trabalha. Como vimos nos exemplos acima, quem trabalha com artigos esportivos pode curtir um bom momento para vendas enquanto ocorrem os Jogos Olímpicos de Tóquio, por exemplo.

O maior cuidado é não fazer do modismo (o que está agitando o mercado) o seu carro-chefe. Incorpore-o ao seu catálogo com cuidado, entendendo que haverá muitas pessoas também vendendo o mesmo produto – o que inclui uma quase “corrida do ouro” atrás de fornecedores. Nem você nem ninguém sabe a resposta certeira sobre o fim dessa necessidade das pessoas.

Como identificar oportunidades com mais êxito?

As grandes oportunidades surgem para atender e, sobretudo, resolver uma dor dos consumidores, uma necessidade que pode ter surgido após um evento específico – a partir de tendências do entretenimento, por exemplo. Mas para ser de fato uma oportunidade, você como vendedor precisa identificar se também tem a capacidade de se adaptar a ela e atender à demanda.

Mais do que apenas a tentativa de identificar novas “febres”, uma dica é sempre estar com os olhos atentos para novas roupagens de produtos que já fizeram sucesso no passado. Isso é bastante comum na moda (não confundir com modismo), onde estilos voltam à cena e novamente ganham as vitrines e o guarda-roupa das pessoas.

Quer acompanhar o que as pessoas estão pesquisando? As redes sociais – especialmente Instagram, Tiktok e Twitter – são um bom termômetro. Porém, você pode usar ferramentas como o Google Trends, que mostra o que as pessoas estão pesquisando no Google. Ou ainda a página Think with Google – Pesquisas de mercado, que evidencia as categorias em ascensão no varejo.

Além desses serviços do Google, há outros mais específicos, como a página do Mercado Livre Tendências. Nela, você tem noção do que as pessoas estão mais buscando no Meli. Outra dica está na ferramenta SEMrush, que permite fazer uma busca avançada de palavras-chave.

Com todas essas dicas e cuidados que você precisa tomar, é hora de ganhar a internet! Sempre vão haver boas oportunidades para o seu negócio, especialmente se ele estiver nos maiores marketplaces do mercado. E, para tal, você sabe que o Ideris é um dos hubs de integração mais completos para você trabalhar com tudo isso em um só lugar. Afinal, conectar para gerar oportunidade está na moda!

30/07/2021

Conheça o Podcast do Conexão E-commerce!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts recentes

O que é CNP e como usar o Cadastro Nacional de Produtos?

O que é CNP e como usar o Cadastro Nacional de Produtos?

O Cadastro Nacional de Produtos (CNP) é um serviço prestado pela GS1 Brasil - uma organização multissetorial sem fins lucrativos - através do qual é possível cadastrar e gerenciar os produtos da sua empresa e gerar um código de barras.  Muitos vendedores começam...