Curva ABC no e-commerce

17/02/2021

Curva ABC no e-commerce

Não há uma fórmula universal para o sucesso das lojas virtuais, mas existem métodos de gestão e soluções tecnológicas que podem facilitar sua ascensão. É o caso da curva ABC no e-commerce, técnica utilizada para otimizar o controle e a organização do estoque – uma das maiores dificuldades dos sellers.

Quer saber mais sobre o assunto? Descubra na leitura deste conteúdo!

O que é curva ABC?

Já ouviu falar na “Regra 80/20” ou na “Análise de Pareto”? Elas são consideradas sinônimos da Curva ABC. Basicamente, o método organiza algumas informações da gestão por ordem de relevância (no caso do e-commerce, os produtos mais e menos vendidos).

Essa escala classifica seu estoque de acordo com a representatividade dos produtos no faturamento da empresa, priorizando a atenção aos que têm maior giro. Veja como a curva ABC se divide:

CURVA A

Itens com alto valor de demanda ou consumo. Eles são 20% do seu estoque e representam 80% da receita. Já que são responsáveis pela maior parte do faturamento da empresa, exigem maior organização e controle de estoque – tanto no armazenamento quanto no abastecimento.

CURVA B

Produtos com médio valor de demanda ou consumo. Representam 30% do seu estoque e 15% do faturamento. A gestão desses itens pode ser moderada, pois embora não sejam o carro-chefe da operação, são responsáveis por boa parte da lucratividade.

CURVA C

Os itens da Curva C têm valor de demanda ou consumo baixo. Cerca de 50% do seu portfólio está nessa classificação, contribuindo com uma média de 5% na receita empresarial. São os menos relevantes na escala de prioridade para a gestão do estoque, mas isso não significa que podem ficar esquecidos. Mesmo sendo menos representativos para faturamento, cumprem seu papel no giro de mercadorias.

Como usar a Curva ABC

Implementar a Curva ABC no e-commerce não é difícil, especialmente se você tiver ERP integrado à sua operação – além de hub, caso venda em mais de um canal.

O primeiro passo é estudar todo o seu estoque, identificando o sortimento de itens, preços unitários, quantidade disponível, volume de vendas e o valor total faturado. Esses dados podem ser extraídos por relatórios do seu sistema de gestão ou hub, facilitando ainda mais a tarefa.

Ordene as informações pelo valor total e então calcule a porcentagem de cada produto. A partir disso será possível descobrir em quais categorias eles se encaixam melhor (Curva A, Curva B ou Curva C).

O principal benefício da Curva ABC no e-commerce é priorizar o estoque de acordo com a demanda. Além disso, essa metodologia garante mais agilidade no dia a dia da equipe de expedição. Por isso, a próxima etapa é organizar os itens da maior para a menor importância/fluxo (os que têm maior fluxo devem ser facilmente acessados).

ALÉM DO ARMAZENAMENTO

As vantagens dessa técnica vão além da otimização do armazenamento no estoque. Ao ter um controle mais preciso da rotatividade dos produtos, a médio e longo prazo você consegue identificar mercadorias que não valem a pena continuar em seu portfólio e substituí-las (nunca esquecendo de também abastecer as curvas B e C).

Durante o levantamento, os dados permitem ao seller reconhecer quem são seus principais fornecedores e clientes – podendo alinhar estratégias de relacionamento para estreitar esses laços. Outro setor do seu e-commerce que pode se beneficiar é a logística, pois será mais ágil e precisa.

Até o marketing digital da sua loja virtual pode utilizar informações da Curva ABC para criar publicações, textos para blog, e-mail marketing e anúncios no Google e nas redes sociais.

Um nível puxa o outro

Uma dica valiosa para movimentar outros níveis da curva é trabalhar com cross selling. Quando os clientes acessarem o anúncio de um produto na Curva A, sugira itens das curvas B e C. Por exemplo: o carro-chefe da sua loja virtual são calças jeans, mas você também vende camisetas – só que elas estão na Curva C.

É possível sugerir a compra dos dois produtos para fornecer frete grátis, desconto extra ou cashback. Assim, em uma única venda você aumenta o tíquete médio movimenta o estoque com um produto best-seller e outro menos relevante.

Outra ideia é oferecer up selling. Nessa estratégia, a lógica é estimular o usuário a comprar itens com maior valor agregado, ou seja, subir de categoria. Digamos que seu e-commerce de Saúde e Beleza vende diversos tipos de cosméticos para cabelo, com shampoos que vão da Curva C à Curva A. No up selling, ele verá sugestões de outros produtos que poderão levá-lo da Curva C para a B ou da B para a A.

Que tal experimentar a técnica da Curva ABC na gestão do seu estoque? 😉

Escrito por Augusto Vasconcelos

17/02/2021

Conheça o Podcast do Conexão E-commerce!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escrito por Augusto Vasconcelos

Posts recentes

O que é CNP e como usar o Cadastro Nacional de Produtos?

O que é CNP e como usar o Cadastro Nacional de Produtos?

O Cadastro Nacional de Produtos (CNP) é um serviço prestado pela GS1 Brasil - uma organização multissetorial sem fins lucrativos - através do qual é possível cadastrar e gerenciar os produtos da sua empresa e gerar um código de barras.  Muitos vendedores começam...